Home » Grávidas de Pé Descalço

Grávidas de Pé Descalço

Há um momento na gravidez, normalmente no terceiro trimestre, em que os pés ficam apertados nos sapatos que até então serviam, os anéis ficam apertados nos dedos onde sempre couberam, e em que parece que as pernas já acordam cansadas.

O fim do dia é normalmente o período mais crítico e o Verão (pelas temperaturas quentes) a estação mais desafiante.

 

Estes achados não são verdade para todas as grávidas mas, segundo a investigação realizada na área, há cerca de 80% que irão saber bem do que falo. Assim sendo, já que vamos ter que lidar com o inchaço durante umas semanas, sugiro que façamos as apresentações.

Conhecer o Inchaço e as suas origens

No mundo dos profissionais de saúde, o inchaço que aqui se fala é conhecido por edema e não é mais do que uma acumulação de fluído nos tecidos. Qualquer parte do corpo pode tornar-se edemaciada em resposta à inflamação. Por exemplo, quando batemos com a perna contra a cama por preguiça de acender a luz, o mais certo é que nos recordemos desse momento nos dias seguintes, já que há uma grande probabilidade da perna ficar inchada. O tipo de edema que as grávidas experienciam nos pés, tornozelos, mãos e rosto é um pouco diferente, uma vez que não envolve lesão. Na verdade, a maior parte das vezes, o edema é uma parte de uma gravidez saudável.

O nosso sistema linfático é determinante para manter o corpo saudável. Ele faz circular por todo o corpo um fluído linfático rico em proteínas, que recolhe bactérias, vírus e produtos residuais. O sistema transporta este fluído e substâncias nocivas através dos vasos linfáticos, com visitas regulares aos gânglios linfáticos. É nestes gânglios, onde vivem linfócitos – células que combatem a infeção – que os resíduos são filtrados para poderem, finalmente, ser libertados do corpo.

O edema linfático acontece quando os vasos linfáticos são incapazes de drenar adequadamente o fluído linfático, normalmente a partir dos membros superiores ou inferiores. Esta acumulação de fluído torna-se percetível quando carregamos com o dedo na pele e percebemos que ela permanece deprimida durante alguns instantes.

 

 

Porquê as Grávidas?

Durante a gravidez, o corpo produz aproximadamente 50% mais sangue e fluídos corporais para atender às necessidades do bebé em desenvolvimento. Ao mesmo tempo, o corpo tende também a reter mais líquidos, de tal forma que os fluídos extra são responsáveis por cerca de 25% do ganho de peso das mulheres durante a gravidez.

Por outro lado, o útero em crescimento coloca pressão sobre as veias da região pélvica e sobre a veia cava (a grande veia do lado direito do corpo que leva o sangue dos membros inferiores de volta ao coração). Esta pressão pode ser suficiente para comprometer a drenagem linfática nos membros inferiores, com consequente inchaço e distensão das pernas e pés. Por esta razão, é mais provável que o edema a incomode durante o terceiro trimestre.

E há ainda o Verão… se o tempo está quente ou estamos um pouco desidratados o nosso corpo pode precisar de mais fluído para manter o equilíbrio. Esse pedido é feito aos rins que, por gentileza, processam os fluídos corporais para atender a esta necessidade. Se a temperatura se mantém quente por um tempo, o nosso corpo pode ficar cauteloso e decidir que, além suprir os tecidos com mais fluído, vai guardar um pouco para usar mais tarde. Acontece que as mãos e os pés são recipientes de armazenamento perfeitos. O resto da história, vocês já sabem.

O edema tende também a aparecer se o seu ganho de peso for substancial ou demasiado rápido – é caso para dizer que um mal nunca vem só!

 

 

Inchaço sim, mas olho aberto!

Um leve inchaço dos tornozelos e pés causado por edema é inofensivo e perfeitamente normal. É também perfeitamente normal não experienciar este inchaço de forma percetível (uma em cada quatro mulheres tem essa sorte). No entanto, se as suas mãos ou face ficarem inchadas de repente, se o corpo inchar de forma generalizada, ou se o inchaço persistir por mais do que um dia sem que melhore durante a noite, fale com o seu médico ou parteira.

O edema excessivo pode ser um sinal de pré-eclâmpsia – mas quando o é, é acompanhado por uma variedade de outros sintomas (como pressão sanguínea elevada, aumento de peso repentino e proteínas na urina). Se a sua pressão arterial e urina estão normais (são habitualmente controladas nas consultas pré-natais), não há nada com que se preocupar.

Deve também avisar o profissional de saúde que a segue se notar que uma perna está significativamente mais inchada que a outra, especialmente se tiver alguma dor ou sensibilidade nos músculos da coxa. Isto poderá ser sinal de um coágulo ou outra condição que merece atenção especial.

 

 

Uma Boa Desculpa para uma Boa Massagem

Nem tudo é mau quando falamos em edema na gravidez. A massagem, por exemplo, é uma das soluções para lidar com esta alteração. Pode ser realizada em qualquer altura da gravidez, ajudando a desintoxicar o corpo, a estimular o sistema imunológico e a aliviar a retenção de líquidos.

E as boas notícias continuam: a Massagem de Drenagem Linfática é uma massagem muito suave, para que seja capaz de incentivar o fluxo e a libertação do excesso de líquido que permanece nos tecidos mesmo debaixo da pele. É, por isso, extremamente relaxante, deixando a grávida com uma sensação de bem-estar imediata.

Este é um dos tratamentos mais seguros recomendados durante a gravidez, podendo estender-se ao período pós-parto. É uma massagem com movimentos muito específicos e para a qual não é utilizado qualquer óleo ou creme. Deve, por isso, ser realizada por um profissional com conhecimento profundo do sistema linfático e das alterações que acontecem no corpo da mulher durante a gestação. Pode ser realizada quando o edema está já instalado ou como medida preventiva, principalmente em pessoas que têm já tendência para retenção de líquidos.

 

 

Pequenas Grandes Estratégias para Controlar o Edema

A Massagem é, sem dúvida, uma estratégia muito eficaz para controlar o edema durante a gestação. Contudo, é preciso mais do que isso: o seu corpo está a comunicar consigo, a pedir-lhe que abrande o ritmo, que cuide mais de si. E é muito importante dar-lhe a devida atenção.

Aqui ficam algumas dicas muito simples, mas que poderão fazer toda a diferença:
Eleve os pés sempre que possível e evite cruzar as pernas quando está sentada.
Faça pausas após passar algum tempo na mesma posição. Mova os pés para cima e para baixo e em movimentos circulares.
Faça caminhadas regulares, Pilates, ou outro exercício adequado à gestação (mantém o sangue a circular normalmente e não o deixa estagnar).
Se tiver autorização do seu médico, aproveite para nadar (a pressão da água empurra os fluídos dos seus tecidos de volta às veias, e daí para os rins, para que possa eliminá-los).
Use roupas confortáveis e tenha atenção às meias ou calçado que possam fazer alguma pressão nos pés ou tornozelos.
Experimente meias de descanso, preferencialmente até à cintura. Coloque-as antes do dia começar.
Mantenha uma alimentação saudável e uma hidratação adequada (pode parecer pouco intuitivo expulsar fluídos com fluídos, mas beber oito a dez copos de água por dia vai ajudar o seu sistema a livrar-se do excesso de sódio e outros produtos residuais, ajudando assim a diminuir o edema).
  Não corte relações com o saleiro. Limitar demasiado o sal pode aumentar o edema, portanto é melhor não o abolir totalmente. Como em tudo, o ideal é manter o consumo com moderação.
  Experimente dormir de lado (preferencialmente sobre o lado esquerdo, já que a veia cava se situa do lado direito do corpo).

Seguindo estas estratégias, depressa perceberá que vai precisar de urinar mais frequentemente, uma vez que o sistema linfático, agora com uma energia extra, começará a querer mover o excesso de líquido e resíduos para fora do corpo.

 

 

O Momento da Despedida

O edema não é exclusivo da gravidez. Podemos ficar edemaciados a qualquer momento em que o nosso corpo tenha excesso de fluídos para processar como, por exemplo, após o parto. Aqueles 50% extra em fluídos que temos vindo a armazenar para os noves meses terão que ir para algum lado. Os rins são extremamente eficazes a eliminá-los, mas ainda assim podem levar entre um ou dois dias a uma semana ou mais após o nascimento.

O que faz então o corpo com o que sobra? Armazena! Esta é uma das razões pela qual algumas mulheres ficam ainda com os pés inchados ou urinam com muita frequência após o parto. Relembramos o lado positivo: qualquer altura é boa para uma Massagem!

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone